Novas Notícias

Economia
Educação

Entreterimento

Esportes

Mundo

Emprego

Recent Posts

terça-feira, 28 de junho de 2016

Dival diz que não abre a cabeça de chapa e de ultima hora o outro grupo deixou a situação


Em entrevista a uma emissora de rádio de Guarabira, o pré candidato Dival Batista (PSL), deixou claro que dificilmente haverá a união das oposições em Serra da Raíz, ele chegou a afirmar que "Nada vai tirar essa candidatura, a cabeça de chapa é irredutível e hora nenhuma vou recuar, se eles quiserem continuar com essa candidatura pode ir, irei até o fim".

Dival afirmou que logo após o lançamento da pré chapa do vereador Carlos André com Wilma na vice, recebeu mais de 50 ligações e mensagens com as pessoas dando apoio a sua pré candidatura.  O ex-vereador Wilson Massau (PT), em uma  participação por telefone disse que a decisão de retirar sua pré candidatura e apoiar Carlos André, se deu por uma melhor conversa com o seu grupo com a pré candidatura socialista, rebatendo a fala de Wilson, Dival disse que essa conversa melhor foi porque Wilson permaneceu no comando dos empregos do governo na cidade, e que nem Carlos André que é do partido do governo não tem nenhum comando sobre esses cargos.

Dival chegou a afirmar que o outro grupo da oposição tem medo de enfrentar uma pesquisa para escolher o melhor nome, e que esses até pouco tempo defendiam a situação. Segundo o mesmo, em duas reuniões o vereador Carlos André deixou claro que seria candidato a vice, e  que o mesmo estaria uma dia com uma conversa e amanhã outra.

Pré-candidatos não poderão apresentar programas de rádio e TV a partir de quinta


A partir de quinta-feira (30), as emissoras de rádio e televisão não poderão transmitir programas que sejam apresentados ou comentados por pré-candidatos às eleições municipais deste ano. A data está prevista no calendário eleitoral, aprovado por uma resolução do Tribunal Superior Eleitoral.

Caso a regra seja descumprida e o pré-candidato seja escolhido na convenção do partido para concorrer às eleições, a emissora e o candidato poderão ser penalizados. Segundo o calendário eleitoral, as penalidades estão previstas em leis.

O texto diz que, a partir desta data, é "vedado às emissoras de rádio e de televisão transmitir programa apresentado ou comentado por pré-candidato, sob pena, no caso de sua escolha na convenção partidária, de imposição da multa prevista no parágrafo 2º do Artigo 45 da Lei nº 9.504/1997 e de cancelamento do registro da candidatura do beneficiário (Lei nº 9.504/1997, Artigo 45, parágrafo 1º)”.



ArarunaOnline

Cerca de 1,4 milhão de trabalhadores não sacaram abono do PIS/Pasep; prazo acaba nesta quinta


Cerca de 1,4 milhão de trabalhadores ainda não sacaram o abono salarial do Programa de Integração Social (PIS) e do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) referente ao ano-base 2014, divulgou o Ministério do Trabalho. O prazo para retirar o benefício acaba na quinta-feira (30).

De acordo com o balanço mais recente do Ministério do Trabalho, até o último dia 24, 94,14% dos 23,6 milhões de trabalhadores que têm direito ao abono salarial sacaram o dinheiro. O benefício, equivalente a um salário-mínimo (R$ 880), é pago a empregados que tenham trabalhado com carteira assinada por pelo menos 30 dias em 2014 e tenham recebido até dois salários-mínimos por mês nesse período.

O trabalhador também precisa estar cadastrado no PIS/Pasep há pelo menos cinco anos e ter tido os dados informados corretamente pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais (Rais). Até agora, foram sacados R$ 18,3 bilhões. Os recursos não sacados retornam ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

O abono salarial é um dos benefícios pagos pelo FAT, que também custeia o seguro-desemprego, os cursos de qualificação profissional feitos em parceria com os governos estaduais e a participação na receita dos órgãos e entidades para os trabalhadores públicos e privados.

Destinado a trabalhadores da iniciativa privada, o PIS é pago na Caixa Econômica Federal. Quem possuir o Cartão Cidadão pode sacar o benefício em casas lotéricas ou em terminais de autoatendimento da Caixa. Quem não tiver o cartão, pode receber o dinheiro em qualquer agência do banco, desde que leve documento de identificação. Empregados domésticos não têm direito ao benefício, porque o PIS é recolhido somente por empresas privadas.

Destinado a servidores públicos, o Pasep é pago pelo Banco do Brasil. O dinheiro costuma ser depositado diretamente na conta. Caso o crédito não tenha sido feito, o trabalhador pode ir a qualquer agência da instituição financeira e apresentar um documento de identificação.

Em caso de dúvidas, os beneficiários do PIS podem ligar para a Central de Atendimento da Caixa Econômica, no telefone 0800-726-0207. Quem tem direito ao Pasep pode obter informações no telefone 0800-729-0001, do Banco do Brasil.






Agência Brasil

Mulher acusa taxista de estupro durante viagem na Paraíba


Uma mulher de 22 anos diz ter sido estuprada por um taxista quando fazia uma viagem de João Pessoa para a cidade de Patos, no Sertão paraibano. O crime aconteceu na noite deste domingo (26), de acordo com a polícia, quando o taxista parou o carro as margens da BR-230, próximo à cidade de Santa Luzia, e estuprou a mulher, fazendo ameaças com uma arma de fogo. Um suspeito foi preso nesta segunda-feira (27), em João Pessoa, mas a vítima não o reconheceu como autor do crime.

Segundo a Polícia Civil, a vítima foi abandonada na rodovia depois do crime e pediu a ajuda da Polícia Militar. Ela foi encaminhada a para a Delegacia da Mulher, em Patos, e também fez exames no Núcleo de Medicina e Odontologia Legal (Numol) da cidade.

De acordo com o delegado seccional da Polícia Civil, Sílvio Rabelo, a vítima não soube informar o nome do taxista, o modelo do carro, mas lembrou os números da placa.

“Ela contou que contratou o táxi em João Pessoa para ir até a cidade de Patos, mas quando o carro passou da cidade de Santa Luzia, o taxista parou às margens da rodovia e sacou uma arma. Através dos números da placa conseguimos identificar um veículo em João Pessoa”, disse Sílvio Rabelo.

Suspeito não reconhecido
Ainda de acordo com o delegado, nesta segunda-feira (27) um engenheiro dono de um carro identificado por meio dos números da placa informada pela vítima foi conduzido para a delegacia na capital paraibana, mas não foi reconhecido.

“Eu recebi essa informação durante a tarde desta segunda e de imediato pedi para que nos mandassem a foto. Quando mostrei as imagens para a vítima, ela disse que não foi ele e informou que o taxista era bem jovem. A nossa suspeita é de que o taxista estava com um veículo clonado”, explicou ele.



PoliticaMaisCedo

Governo Temer quer idade mínima da aposentadoria aos 70 anos


Jornal GGN - O governo do presidente interino Michel Temer pretende colocar a idade mínima da aposentadoria aos 70 anos. A ideia é determinar no projeto que será enviado ao Congresso duas faixas: uma de 65 anos e outra de 70, para daqui a 20 anos. Existe um consenso de que a reforma na Previdência deve estabelecer 65 anos como idade mínima, mas é necessário uma regra de transição que não prejudique quem já está no mercado de trabalho e próximo de se aposentar.

Quem entrar no mercado de trabalho a partir da sanção das novas regras irá entrar na faixa dos 65 anos. Porém, mesmo que o governo consiga enviar o projeto ainda em 2016, ele dificilmente será aprovado antes do ano que vem. 

Segundo matéria do O Globo, o governo interino analisa fórmulas para a regra de transição que devem levar em conta o tempo de contribuição e o período que falta para a aposentadoria.



Idade mínima para benefício começaria aos 65 anos, mas seria estendida daqui a 20 anos
O governo de Michel Temer quer que a idade mínima para a futura geração se aposentar chegue aos 70 anos. A ideia, segundo uma fonte do governo que está participando das discussões, é estabelecer no projeto que será enviado ao Congresso duas faixas: a primeira, de 65 anos; e a segunda, de 70 anos, para ser aplicada só daqui a 20 anos.

Há praticamente consenso de que a reforma da Previdência em estudo deverá estabelecer 65 anos como idade mínima a partir da aprovação do texto, mas com uma regra de transição que não penalize tanto quem já está no mercado de trabalho e ainda menos quem está mais próximo da aposentadoria.

Por exemplo, se um homem já contribuiu 30 dos 35 anos que determinam a lei atual e tem 50 anos, ele não terá que trabalhar mais 15 anos, até os 65. Haverá uma transição. O objetivo do governo é elevar a idade média das pessoas ao se aposentarem. Hoje, é de 54 anos.

Os que entrarem no mercado de trabalho a partir da sanção da nova regra se enquadrarão integralmente na faixa de 65 anos. Mesmo que o governo envie o projeto ao Congresso ainda este ano, dificilmente ele será aprovado antes de 2017.

— Se vamos estabelecer a idade mínima agora, já podemos pensar nas próximas décadas, deixando uma faixa mais alta para a futura geração, que está longe ainda de entrar no mercado de trabalho. Agora, a adoção dos 65 anos como idade mínima terá uma regra de transição muito clara para não prejudicar quem já está no mercado de trabalho há mais tempo — afirmou um integrante do governo Temer.

As fórmulas para esta regra de transição ainda estão sendo analisadas pelo governo, mas levarão em conta o tempo de contribuição dos trabalhadores e o período que falta para a aposentadoria. Apesar de o presidente Michel Temer ter declarado na última sexta-feira ser a favor de que as mulheres se aposentem levemente mais cedo do que os homens, a intenção da equipe econômica é, a longo prazo, fazer com que a idade para ambos os sexos coincida.


Amanhã, haverá reunião entre governo e as centrais sindicais, da qual poderá sair a primeira versão da reforma da Previdência. O Planalto ainda tem dúvida sobre a apresentação de um documento para evitar um “pacote pronto”, porque busca entendimento com os sindicatos, que têm se mostrado inflexíveis especialmente quanto a alterações na regra que afetem quem está no mercado de trabalho ou próximo da aposentadoria. A decisão sobre apresentar ou não essas linhas gerais será definida em cima da hora, dependendo do clima entre governo e sindicatos.

— As centrais resistem em praticamente todos os pontos, mas estão começando a assumir a responsabilidade. A previdência não é um problema do governo, que passa; mas de quem vai se aposentar. Se o governo não fizer nada rápido, o Brasil vai acabar daqui a uns anos como países europeus que quebraram — disse uma alta fonte do governo.

A expectativa do governo é receber algumas ideias das centrais na reunião de amanhã, mas há impasse. Os sindicatos querem a manutenção da regra 85/95 (soma entre idade e tempo de contribuição para mulheres e homens, respectivamente) e pedem, em vez de mudanças estruturais no sistema, que o governo faça uma fiscalização rigorosa nos gastos com os recursos previdenciários.

— Queremos que o governo abra a caixa-preta da Previdência. O trabalhador não é o responsável pelo deficit que existe no sistema — disse ontem o vice-presidente da Força Sindical, Miguel Torres, que estará amanhã em Brasília para a reunião no Palácio do Planalto.

Medidas que afetam quem ainda não entrou no mercado de trabalho, no entanto, causam menos polêmica entre as centrais. Segundo Miguel Torres, não há entre as centrais uma decisão sobre o tema.

Há dois pontos apresentados pelas centrais que o governo vê com bons olhos: a abertura de um programa de refinanciamento de débitos inscritos na dívida ativa com a Previdência e a revisão das isenções às entidades filantrópicas.

A Previdência do setor rural é outro ponto polêmico. Os sindicatos afirmam que este responde pela maior parte do deficit do sistema. O governo busca discutir esse problema em mesas separadas. Ouviu as queixas dos sindicalistas, mas quer discutir alternativas com os ruralistas para não contaminar as discussões.

Uma fonte do governo disse que alguma medida terá de ser adotada para reduzir as despesas previdenciárias deste setor.

Estado inicia inscrições para 400 vagas de agentes socioeducativos


Foram iniciadas nesta segunda-feira (27) as inscrições para 400 vagas de agentes socioeducativos do Estado. O processo de inscrição se estende até o próximo dia 8.

O Processo Seletivo para a função de agente socioeducativo vai suprir defasagem nas unidades de atendimento das Regionais I, II e III, que correspondem aos municípios de João Pessoa, Lagoa Seca e Sousa, distribuídas conforme anexo I, no âmbito da Fundação Desenvolvimento da Criança e do Adolescente “Alice Almeida” – Fundac, de acordo com os princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e normas estabelecidas no Edital (ver link: http://paraiba.pb.gov.br/editalfundac/).

Este processo destina-se à seleção e contratação temporária e a seleção terá caráter eliminatório e classificatório a ser realizado por meio de Prova de Título e Entrevista Oral. A avaliação será feita pela Comissão Organizadora e Examinadora respeitando as respectivas jornadas de trabalho e remuneração, conforme estabelecido nos anexos I e II deste Edital.

Inscrição – A inscrição e entrega da documentação será realizada no período de 27/06 a 08/07/2016, no horário das 9h às 12h30 e das 13h30 às 17h, na Escola de Serviço Público do Estado da Paraíba – Espep, situada à Rua Neusa de Sousa Sales, S/N- Mangabeira VII, Cep: 58.058-420- João Pessoa/PB.

A inscrição deverá ser feita pelo candidato mediante preenchimento e assinatura da ficha de inscrição. Na impossibilidade da inscrição ser realizada pelo candidato, esta poderá ser efetivada por terceiros, desde que este apresente procuração pública com poderes específicos, com firma reconhecida em cartório e documento de identificação.



MaisPB

TCE entrega ao MPPB lista de políticos ‘fichas sujas’


Para que os promotores eleitorais comecem a preparar as ações de impugnações de candidaturas relativas ao processo eleitoral de outubro deste ano, o procurador-geral de Justiça do Ministério Público da Paraíba (MPPB), Bertrand de Araújo Asfora, recebe nesta terça-feira (28), das mãos do presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PB), conselheiro Arthur Cunha Lima.

Os gestores paraibanos que tiveram as contas rejeitadas nos últimos oito anos correm o risco de ter a candidatura impugnada pela Justiça Eleitoral, caso decidam disputar o pleito deste ano.

A relação será entregue  ao meio-dia, no gabinete do procurador-geral de Justiça, localizado no terceiro andar do edifício-sede do MPPB, em João Pessoa (no início da Avenida Dom Pedro II, Centro, próximo à Praça João Pessoa).




MaisPB